segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Jardim das Delícias!




Significados

Jardim é comumente conhecido como um espaço fechado onde se cultivam árvores, flores, plantas e frutas com o objetivo de apreciar, decorar, desfrutar do gozo olfativo ou do paladar do que ali é plantado e para estudar. Como um espaço ordinário interno e externo, o Jardim que cada um cultiva dentro de si. Ou na educação, o Jardim da Infância onde começamos formalmente nossa construção educacional / intelectual.
Jardim é um derivativo do nome “Jardine” , latim, “mãe de Alceu, rei da Lídia” e significa Ousadia, Dinamismo, Independência, Força de Vontade, Competitividade e Originalidade”, é guiado no Tarot pelos Arcanos “O Mago” e “O Eremita”.

A palavra “Delícia” está ligado aos significados de Prazer, Intensidade, ao Encanto, ao Deleite e ao Gozo. Ligada as sensações “Agradáveis” e “Deleitosas”.


O Jardim das Delícias Terrenas


Uma Obra que sempre me interessou, pela abordagem, pela intensidade do conteúdo e pela modernidade é a “Jardim das Delícias Terrenas”, um tríptico, de Hieronymus Bosch, que descreve a história do Mundo a partir da criação, apresentando o paraíso terrestre e o Inferno nas asas laterais. É uma Obra de 1504 e já trazia características de surreal e fantasia. Ao centro, Bosch celebra os prazeres da carne, com símbolos e figuras desinibidas em atividades sexuais com vividez  sem culpa. É uma Obra que trata da natureza, do corpo humano, homem e mulher, de diversas etnias e classes, animais e coisas fantásticas, com muita naturalidade. A Obra pode ser apresentada Fechada e Aberta. Fechada representando o Globo Terráqueo ou o Terceiro dia da criação. Aberta representa “O Jardim do Éden”, “O Jardim das Delícias Terrenas” e “O Inferno”. Foi uma Obra muito polêmica e gerou muita controvérsia e medo ao longo dos Anos. Alguns dizem que a Obra promove a liberdade, outros que critica o pecado e a malícia.


“E o Senhor Deus fez brotar da terra toda qualidade de árvores agradáveis à vista e boas para comida, bem como a árvore da vida no meio do jardim, e a árvore do conhecimento do bem e do mal / E saía um rio do Éden para regar o jardim; e dali se dividia e se tornava em quatro braços”
— Capítulo II do Gênesis

Estar-se-ia representando o paraíso tal como, segundo o cristianismo, o criara Deus, mas não como o local onde pecou Eva, senão como o paraíso ideal, o que devera ser se Eva não pecasse senão seguisse as ordens de Deus:
“Então Deus os abençoou e lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra e sujeitai-a...”
— Gênesis, 1:28-29

“E ambos estavam nus, o homem e sua mulher; e não se envergonhavam.”


— Gênesis, 2:25


O trítico fechado: A Criação do mundo, óleo sobre tábua, 220 x 195 cm.



O Jardim das Delícias Terrenas
Autor  Hieronymus Bosch
Data   1504    
Técnica        Óleo sobre madeira
Dimensões     220 cm × 389 cm
Localização   Museu do Prado, Madrid


“A diferença entre as pinturas de Bosch e as de outros é que os demais procuraram pintar o homem qual parece por fora; somente ele o ousou pintar qual é por dentro (...). Os quadros de Bosch não são disparates, senão uns livros de grande prudência e artifício, e os o nossos sim são disparates, não os seus; em síntese, é uma sátira pintada dos pecados e desvarios dos homens”
          a b José Pijoán, «Jerónimo Bosch» em Summa Artis, Antología V, Espasa, ISBN 84-670-1356-7, pág. 136

A Obra pertenceu a Henrique III de Nassau. Foi herdado pelo seu filho René de Châlon e depois pelo sobrinho de Henrique, Guilherme de Orange, líder da rebelião holandesa contra a coroa dos Habsburgo. Foi confiscado pelo duque de Alba, incluindo-se no inventário redigido com tal motivo a 20 de Janeiro de 1568. O duque deixou os quadros a D. Fernando, seu filho natural e prior da ordem de São João. Foi comprada por Filipe II no leilão dos bens de Dom Fernando, e enviada para o mosteiro do Escorial em 8 de Julho de 1593. Colocou-se no dormitório do rei, onde esteve até sua morte. É a pintura mais famosa da coleção de nove de Hieronymus Bosch que Filipe II reuniu em El Escorial. Foi transladado ao Museu do Prado em 1936 para a sua proteção devido à Guerra civil espanhola. Depois da guerra, por desejo de Franco entrou a fazer parte das coleções do Prado.

Inspiração e Mudança


Essa foi a minha inspiração para a série "Jardim das Delícias" e para mudança como Artista. Foi sobretudo um período de mudanças, de prazeres, de descobertas, de questionamentos e de medos. Eu busquei inspiração e mim, como uma pessoa introspectiva, usei a Arte para registro, para desabafo e para refletir minhas próprias questões. Porém e sobretudo, essa série se tornou algo maior, que fala sobre o "ser", sobre o animal, o instinto, o humano e o psicológico. "Jardim das Delícias" fala sobre o desejo, a curiosidade, a liberdade, a independência, as crenças; fala da natureza e das sensações, da a tumultuada existência interior suas indagações, vontades e medos.


''Pinto a mim mesmo porque sou sozinha e porque sou o assunto que conheço melhor. ''

Frida Kahlo

Jardim das Delícias

video


Essas Obras estiveram expostas no Ateliê / Casa do Artista no Rio de Janeiro, em Juiz de Fora, e em Petrópolis; no Centro de Cultura Raul de Leoni, em Petrópolis; na Fundação Mário Peixoto, Museu Municipal de Mangaratiba; e na Casa do Barão de Santa Tereza, durante a vigésima terceira edição do "Artes de Portas Abertas" e a Primeira Bienal Internacional de Ocupação Urbana, no Rio de Janeiro.


Uma Mudança na maneira de pensar, de analisar e de produzir que começou com desenhos do subconsciente neurológico, exercícios de rabisco no "limiar" sem colocação e com influência do hiper-texto cognitivo, passar a caneta de um lado por outro ainda no ensino médio e nos primeiros períodos da faculdade, ouvindo sobre Teoria da Comunicação. Psicologia Comportamental, Sociologia e etc. Aos poucos modificou a Arte que eu então produzia e começou uma metamorfose artística que a meu ver deve se manter sempre presente e atuante. Nessa fase passei a usar outras técnicas, como Stencil, Hidrocor, Cera de Vela, experimentações que passei a usar em Outras Obras e Séries.


Jardim das Delícias 2003 AST, Stencil e Hidrocor



O Pecado Original 2004 AST e muito relevo.
Acervo da Fundação Mário Peixoto - Museu Municipal de Mangaratiba - RJ.

Obra Cadastrada no Livro Comemorativo dos 70 Anos da ABD

Como o pecado que nos condena antes mesmo de sabermos o que significa pecado. O primeiro pecado é aquele que nos condena por sermos quem somos, animais, instinto, sentimento, seres de sangue, e elementos da grande obra. Como personagens da materialização da dramaturgia da Vida. Pecado Original, é uma Obra ligada as raízes, ao princípio e a essência. Trabalhada com cores primárias, e relevo, lembra um desenho rupestre, e pela abordagem uma criação fauve ou dada. A Obra segue a leitura circular e trás as características típicas do trabalho de Vitor, nesse caso alguns elementos como as linhas paralelas, a maçã e a flor de lótus. É uma tela altamente rica em harmonia e relevo, moderna e ao mesmo tempo rústica.  O cérebro, a boca costurada, a maçã, os desejos e as provações. O paraíso em choque, com ondas e fogo, e a razão cozinhando em meio ao Caos. Vitor consegue abordar temas pesados com uma suavidade plural perceptível pela harmonia dos elementos e pela pincelada.


So How to Kill Butterflys – Sob como se matar borboletas!

Obra Cadastrada no Livro Comemorativo dos 70 Anos da ABD


video


A Homeopatia das coisas, a metáfora, a derivação e a mutação. Como em Oscar Wilde a influência do imaterial. O meio e o hipertexto da psicologia. "So how to kill butterflys", Sob como se matar borboletas, fala da perda da pureza, das alterações práticas que a vida e o mundo vão causando. Inicialmente uma madona clássica, em estilo e técnica, e a corrupção do meio com multi alterações. A obra trabalha com símbolos pictóricos de semiologia, como a faca, a cortina, a banana, a mão e o tracejado, ao mesmo tempo, os símbolos tradicionais do trabalho de Vitor, a leitura circular, as linhas, as pinceladas marcadas. Alguns elementos só podem ser observados com atenção. É uma obra com grande valor estético, apesar do peso das cores e dos temas. A mão no estilo grafitado para alem das alusões é a mão do autor e serve indiretamente como assinatura também. Sob como se matar borboletas, de João Vitor Frias Martins, técnica mista, com Tinta Óleo, Acrílica, Têmpera, Hidrocor, Stencil e até Vela Derretida para dar um toque romântico ou sadomasoquista, 100 X 80 cm.





Guerreira 80 x 60 cm Mista s/ Tela

"Lá perto delas suas três irmãs feiosas, as Górgonas, aladas
Com cobras no lugar de cabelo — odiavam o homem mortal —"

Arma e Amuleto contra o Mal, foi refletida como feia e depois no século V a.C como bela. Segundo o poeta romano Ovídio, a Medusa teria sido originalmente uma bela donzela, "a aspiração ciumenta de muitos pretendentes". Era uma bela sacerdotisa de Atena que teria cedido ás investidas de Posidão e deitado-se com ele no próprio templo da deusa Atena e fora então castigada pela deusa. Para Jane Ellen Harrison a Medusa é em outras palavras "uma máscara com um corpo acrescentado posteriormente a ela... a base do Gorgoneion é um objeto de culto, uma máscara ritual mal-compreendida". Tem significado na Psicanálise e no Feminismo. Na Psicanálise esta associada "A Medusa é apresentada como "o supremo talismã, que fornece a imagem da castração - associada na mente da criança à descoberta da sexualidade maternal - e sua negação." Beth Seelig analisa a punição da Medusa como um desenvolvimento dos próprios conflitos não-resolvidos da deusa com o seu pai, Zeus. A Medusa é uma guerreira! Enfrenta o Bem e o Mal, o conflito dentro de si, a batalha contra o vício e o medo!


Butterfly - AST

Obra Cadastrada no Livro Comemorativo dos 70 Anos da ABD


"Há um tempo que é preciso despir-se de si mesmo, passar pelo tempo do casulo, para no tempo certo alçar voo, como uma borboleta em sua liberdade."

Adrian Gras.

"A marca de sua ignorância é a profundidade da sua crença na injustiça e na tragédia. O que a lagarta chama de fim de mundo, o mestre chama de borboleta."

Ilusões - Richard Bach




Fragmento de Percurso, Jardim da Vida - AST - Vitor Frias Martins

Percurso no Jardim na Vida AST

As Estátuas, ídolos, dogmas.
As lágrimas...
O esgoto, o subsolo, o que jogamos para baixo, os infernos mentais e físicos das mitologias.
A Árvore no centro, símbolo da vida.
As cores predominantes: Amarelo, Azul e Vermelho.
As linhas paralelas.
As pinceladas densas intercaladas com as aguadas.
Lírico e Metafórico.




Um Jardim encantado, Fauve e Surrealista. Esta obra é moderna, extremamente ligada às concepções dos Painéis de Grafite. Tem um colorido marcante e marcado. Cores quase primárias que disputam espaço e convivem. No Jardim da Vida, não poderia faltar à árvore, símbolo para várias culturas de resistência, sobrevivência, esperança, permanência. A árvore é um símbolo da Vida e de Luta. A árvore do quadro se firma por sob os círculos sequenciados do esgoto e os labirintos pragmáticos da sociedade contemporânea. O tom amarelado da Obra vaza por toda a sua amplitude, trazendo uma sensação de iluminação e proteção constantes. O autor trás as estátuas a contemplação, a confabulação e o corpo aberto entregue. È uma obra de valor quase religioso, tratando o tema do percurso da vida, as provações e os anseios. Detalhe para as linhas paralelas, marca do artista, e para as lágrimas, azul e vermelha, essa última, lágrima de sangue. Apesar dos contratempos, a semiologia trás um tema simpático a vitória, a força e a persistência, repare no corpo aberto entregue sendo coroado. Percurso no Jardim na Vida é uma obra neo modernista, em técnica acrílica sobre tela.




Carnaval AST

Registro da Celebração e das Festividades. Uma festa tao antiga quanto todas as outras que celebra os ritos do desejo e do prazer. O festival da Carne tem várias representações pelo mundo, sempre ligada a festa, as fantasias e a permissividade. Trás categorias fauve, naif e do grafiti. Figuras bem modernas e coloridas, pinceladas rápidas e soltas. Tem os elementos das cabalas, dos "Apanhadores de Sonhos", e nas janelas um "Cristo Redentor" e um Vaso de Flores. Um meta morfo atravessa a Obra, como personagem mutante típico das festividades. 



Dom Quixote 2010 Mista s/ Tela
  
Uma Tela com muita cor, forte e marcada. Pinceladas simplesmente jogadas e soltas, tintas esquecidas ou depositadas. Muitas cores e muitos tons. Um trabalho complexo representando o cavaleiro Don Quixote de la Mancha, personagem de Miguel de Cervantes, o personagem da literatura clássica e símbolo de sonhos e buscas. Têm traços cubistas, modernistas e expressionistas. Bem trabalhado em muitos "cantos" e "esquecido" em outros, é um trabalho com uma incrível finalização em Harmonia, e um grande símbolo da luta de um cavaleiro contra os monstros do moinho de vento, na versão de Vitor, o Don Quixote enfrenta também o espelho como a pessoa que enfrenta seus próprios medos e "limitações".



Buda - 80 x 60 cm - Técnica Mista s/ Tela - 2004-2006
Artista: Vitor Frias Martins
Coleção Particular de Marcelo Tomaz

"Buddha, que significa "Desperto"1 , do radical Budh-, "despertar") é um título dado na filosofia budista àqueles que despertaram plenamente para a verdadeira natureza dos fenômenos e se puseram a divulgar tal descoberta aos demais seres. "A verdadeira natureza dos fenômenos", aqui, quer dizer o entendimento de que todos os fenômenos são impermanentes, insatisfatórios e impessoais. Tornando-se consciente dessas características da realidade, seria possível viver de maneira plena, livre dos condicionamentos mentais que causam a insatisfação, o descontentamento, o sofrimento." Wikipédia.


Bem Vindo ao Jardim das Papoulas! - Mista sobre papelão 11x11cm - 2006 - Vitor Frias Martins


Cidade - Acrílico, Têmpera 2013 Série Cidades / Espaço Urbano Vitor Frias Martins


Alegoria ao Amor AST


Uma declaração de Amor ao Amor.

A história de corações partidos e a necessidade que todo ser têm de amor.

É uma Obra bela, cheia de elementos e signos. Têm muitas cores e características do trabalho de Vitor, as linhas paralelas, as cabalas, o diamante, o apanhador de sonhos. Uma Obra bem moderna com características do naif e do grafite.



Afrodite com maçã mordida - 2004 Vitor Frias Martins


Classificados, a Procura! Estudo sobre a sexualidade
Mista, desenho, nanquim, colagem sobre A4 200

Exposição




Boa parte dessas Obras ficou exposta na minha casa / Ateliê, quando morei no Rio de Janeiro e em Juiz de Fora, algumas das Obras estiveram em exposição no Centro de Cultura Raul de Leoni em Exposições Coletivas que eu participei.

Em 2013 fui convidado pelo Senhor Jorge Nathureza, Curador e Artista Plástico, a expor parte do meu trabalho na cidade de Mangaratiba. Eu e Jorge selecionamos peças de várias séries de trabalho, mas se destacaram na escolha, as peças da série "Jardim das Delícias", Obras que se caracterizam pelos temas, pela mistura de técnicas e pelo colorido forte e marcante com pinceladas aguadas e outras carregadas juntas.






Na foto, Jorge Nathureza, Curador da Exposição, e Vitor Frias Martins, na Fundação Mário Peixoto, Museu Municipal de Mangaratiba - RJ

Visitante: Você também faz parte da Exposição!




Presença do Artista e Curador da Exposição Jorge Nathureza e do Artista Miguel Sobreira, ambos aprticipando da Obra, foram vários os visitantes que quiseram participar e registrar o momento.

Na Obra "Visitante, você também faz parte dessa Exposição", o visitante posicionado em um determinado ponto é fotografado junto com uma das obras expostas sem que perceba por outra pessoa localizada na Obra, troque de ilusão de ótica e carrega assim um pouco da exposição consigo.

É como uma metáfora onde cada hiper-texto cognitivo produz uma nova interpretação, um diferente olhar, criando assim, a ideia de que seria uma Exposição diferente para cada Visitante, pelas suas concepções.

Coroa


A Obra "LOVE" é da Série Pigmentos Minerais, ela já é toda trabalhada com outras técnicas de pigmentos, tintas e outros materiais, e no tema já é explorado o conceito dos signos e da semiótica na Arte. Toda a Obra é trabalhada com os "Apanhadores de Sonhos", "Dreamcatchers", com flores e com a Coroa.

Mesmo fazendo parte de outra série, essa Obra foi selecionada pelo Curador para participar da Exposição "Welcome to Jardim das Delícias", e o ideal na montagem da Mostra e na Visitação, é que cada Visitante fosse fotografado por um amigo ou por qualquer outra pessoa que acompanhasse a Exposição, na posição da foto de divulgação, saindo assim numa posição como se estivesse usando a "Coroa".

Mídia

A Exposição foi amplamente divulgada na Mídia.




Jornal "O Foco", Portal da Prefeitura de Mangaratiba e Diário do Vale - Portal UOL





Esta Natureza-Morta bem colorida em acrílico foi vendida para Paris no evento!







LOVE - Pigmento Mineral, Acrílico e Têmpera s/ Tela, com Aplicação de material de construção.

Obra vendida para Berlin no evento!


Obras da série "Jardim das Delícias" de Vitor Frias Martins expostas no 23a Arte de Portas Abertas, Santa Teresa, Rio de Janeiro.



O Arte de Portas Abertas foi ótimo! Eu vendi 2 trabalhos, um para Berlin e outro para Paris, e conversei com várias pessoas que gostaram e / ou ficaram interessadas. Teve muita coisa diferente, Arte, Artesanato, Gastronomia, boa Música, Performances e muita gente de fora do Brasil. Caminhar por Santa Teresa, que estava lotada, conhecer pessoas legais, olhar o que as outras pessoas estão produzindo, circular e fazer contato com o público que gosta de Arte. Eu recomendo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário